O que o setor automotivo quer de dia das mulheres?

8 de março de 2018

Receber flores e chocolates de presente das empresas é um clássico do Dia do Mulher. O gesto pode ser atencioso, mas não ataca os grandes desafios que profissionais sexo feminino enfrentam para desenvolver carreira em grandes companhias da indústria. A pesquisa Presença Feminina no Setor Automotivo apurou fatores como salários até 34% menores do que o dos os homens e participação tímida da mulher na liderança, com 87% das empresas participantes do estudo sem nenhuma colaboradora em cargos de vice-presidência e presidência.

Estes desafios foram colocados em debate durante o AB Lab que aconteceu no I Fórum Presença Feminina no Setor Automotivo, no último dia 20 de fevereiro: uma seção de debates e construção da inteligência coletiva que colocou as 240 pessoas presentes no evento para buscar soluções para tornar as empresas automotivas mais igualitárias.

Alguns caminhos, surpreendentemente, são simples e dependem menos de investimentos e mais de apoio da liderança da companhia e de engajamento tanto das mulheres quanto dos homens. Afinal, a maior presença feminina na indústria é benéfica a todos, como a ponta estudo da Mckinsey, que constatou que organizações com mais colaboradoras na liderança aumentam em 21% a chance de alcançar desempenho financeiro acima da média.

O relatório final da pesquisa Presença Feminina no Setor Automotivo será divulgado apenas em abril. Adiantamos, no entanto, algumas das medidas sugeridas pelos participantes do AB Lab para elevar o número de mulheres nas empresas automotivas:

– Aumentar a transparência sobre práticas e salários: implementar políticas mais claras que tenham foco na competência profissional;
– Desenhar outras compensações além do ganho salarial: oferecer flexibilidade de horário e possibilidade de home office são alguns dos pontos mais destacados para melhorar a participação feminina nas empresas;
– Melhorar a cultura organizacional: promover ações para combater o machismo inconsciente e adotar políticas para promover a igualdade de gênero;
– Ampliar benefícios: melhorar o esforço para reter talentos femininos e unificar alguns programas. Em caso de aposentadoria, por exemplo, muitas empresas desligam as mulheres automaticamente enquanto oferecem assistência na transição para os homens, facilitando para que eles virem consultores.

Fonte: automotivebusiness.com.br